O arquivo de imagens do Vídeo nas Aldeias abriga, hoje, cerca de 8 mil horas de material audiovisual, além de um vasto acervo fotográfico, produzido por e em colaboração com mais de 40 povos indígenas no Brasil. O recorte das coleções aqui apresentadas parte do material registrado em sua maioria por Vincent Carelli e parceiros indígenas e não-indígenas ao longo de mais de 30 anos, documento de sua colaboração com essas comunidades e base do conjunto de filmes mais representativos de sua filmografia, desde a fundação do VNA, em 1986, até os dias atuais. Temos, assim, uma coleção composta em 8 grandes bancos de material audiovisual e fotográfico, organizados por etnias: Akuntsu e Kanoê (Rondônia), Enawenê-nawê (Mato Grosso), Gavião (Pará), Krahô (Tocantins), Mbya-Guarani (Rio Grande do Sul), Guarani e Kaiowá (Mato Grosso do Sul), Nambikwara (Mato Grosso) e Xikrin (Pará). 

Material audiovisual cujo contexto e sensibilidade política e cultural, cuja continuidade do registro no tempo e cujo estabelecimento de processos colaborativos de realização, ao longo dessas três décadas, transcende o evento da realização (ou finalização) de cada um dos filmes, tornando-se um corpus que delineia experiências e estratégias de elaboração, preservação e difusão das identidades e dos interesses indígenas, bem como produz uma contra-narrativa histórica fundamental para a compreensão da condição autóctone no país. A preservação, digitalização e disponibilização desse acervo, além de garantir a devolução de um patrimônio (cultural, humano, histórico) inestimável para as comunidades de origem, é de importância singular na elucidação de parte da história recente e na percepção da realidade dos índios para a sociedade não-indígena de nossos dias.

O banco de dados ACERVO VÍDEO NAS ALDEIAS encontra-se em processo de construção e se manterá atualizado a partir de novas coleções digitalizadas e indexadas. O acervo está organizado por coleções/povos, com uma breve descrição sobre a construção de cada coleção e onde é apresentado um corpo de fotografias selecionadas a partir de recorte dos acervos integrais, além de documentos anexos com a listagem das fitas digitalizadas. Estes arquivos estão abertos para consulta on-line e sua disponibilização segue as orientações e premissas das comunidades retratadas, respeitando direitos de imagem e usos acordados com cada povo e seus autores. 

O projeto foi realizado pelo Vídeo nas Aldeias, com incentivo do Funcultura-PE [2016/2017]